“Fui enganado e atropelado”, diz Claudio Abrantes após aliança do PDT com Rollemberg

6 de agosto, 2018 - 12:41 Atualizado em 06/08/2018 13:23

Distrital fez críticas à direção do partido, que prometeu deixar Executiva Regional livre caso o PSB Nacional não confirmasse apoio a Ciro Gomes

Claudio Abrantes promete fazer campanha contra Rollemberg / Foto: Ísis Dantas

O deputado Claudio Abrantes (PDT) não poupou críticas à direção do PDT, nesta segunda-feira (6), após confirmação da aliança do partido com o governador Rodrigo Rollemberg (PSB). “Eu fui enganado, atropelado. Mas eu reitero que não aceito e não me vendo e não farei campanha para Rollemberg. Muito pelo contrário, eu farei campanha contra Rollemberg”, disse.

O parlamentar de Planaltina deixou a Rede em 2017 após anunciar oposição ao governo socialista. Passou quase um ano sem partido e filiou-se ao PDT com a promessa de que a legenda não estaria ao lado de Rollemberg na eleição de 2018.

Durante as tratativas de coligação, nas últimas semanas, foi o nome mais combatente a essa aliança, juntamente com Fabio Barcellos, que chegou a lançar seu nome para o Senado em chapa com a pré-candidata Eliana Pedrosa (Pros).

“Ouvi da direção do partido que só seriamos obrigados a estar com esse governador mentiroso caso o PSB fechasse nacionalmente com Ciro, o que não aconteceu”, completou.

Aliança

O PDT anunciou a aliança com Rollemberg durante coletiva na manhã desta segunda, na sede nacional do partido. Além de Ciro, compõe a chapa que disputará a presidência a senadora Katia Abreu, correligionária. Durante o discurso, o presidente do partido, Carlos Lupi, chamou o governador de “estimado amigo” e agradeceu a dedicação dele à candidatura de Ciro Gomes.

“Rollemberg é um estimado amigo, que desde o começo tem travado luta na defesa de Ciro Gomes. Mostrou coerência, lealdade. Nessas horas, na política, temos que ter gratidão e correção no trato”, afirmou.

Salvo conduto

Durante as discussões para coligação, Lupi reiterou a Claudio Abrantes que ele terá um salvo conduto e liberdade para fazer campanha ao governador que escolher. Da mesma forma, não precisaria participar dos materiais de divulgação e campanha de Rollemberg.

As críticas de Abrantes ao governador são antigas. Ele reclama de Rollemberg não ter cumprido os compromissos de campanha, entre eles a paridade da Polícia Civil com a Polícia Federal, base do distrital, que é policial civil.

 

Deixe uma resposta