Ibaneis espera apoio de PR, que ainda discute internamente o assunto

16 de October, 2018 - 16:21 Atualizado em 16/10/2018 16:21

Advertisements


Advogado quer um anúncio de apoio de Frejat, mas partido analisa se vale a pena se juntar ao MDB no segundo turno

 

Ibaneis aguarda anúncio de apoio de Frejat – Foto: Divulgação

Enquanto o advogado Ibaneis Rocha segue como franco favorito para ganhar as eleições no DF, o PR, de Jofran Frejat e José Roberto Arruda ainda decide se vai apoiar ou não o emedebista no segundo turno. Divergências internas poderiam impedir a oficialização do apoio. Sabe-se ainda que esta decisão passa pela disposição do ex-governador José Roberto Arruda em apoiar o advogado, com quem teria divergências, desde os tempos em que Ibaneis comandava a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB).

Os eleitos do partido – Flávia Arruda, para federal; e Agaciel Maia, para distrital – não teriam muitos motivos para que o partido declare um lado para seguir no segundo turno das eleições. Se, de um lado, Ibaneis é o candidato mais afinado com o PR, de outro, tem o governador Rodrigo Rollemberg, de quem Agaciel é líder na Câmara Legislativa.

Ibaneis aguarda uma declaração pública de Jofran Frejat à candidatura dele. Mas a chegada dos dois eleitos à capital – os dois viajaram logo em seguida à eleição – pode selar o destino do partido ainda nesta terça-feira (16).

A posição de Frejat tem sido vista como “elegante” por quadros do partido, já que, enquanto a campanha de Ibaneis anunciou que ele anunciaria apoio ao advogado, ele disse que esperaria o partido decidir. O médico desistiu da disputa, ainda na pré-campanha, quando era apontado como favorito para ganhar as eleições. Ibaneis se beneficiou disso. E, principalmente, do racha da aliança, que gerou outras três candidaturas frustradas – Eliana Pedrosa (Pros), Alberto Fraga (DEM) e Rogério Rosso (PSD).

Suplente de deputado distrital, Gutemberg Fialho (PR) já se antecipou à legenda e gravou vídeo de apoio ao ex-presidente da OAB. Mas a decisão mesmo deve ser tomada somente com a anuência dos eleitos, além de detentores de mandato, como o deputado federal Laerte Bessa e o distrital Bispo Renato.

Deixe uma resposta