Fábio Felix cria “central de resistência” para receber denúncias

30 de outubro, 2018 - 13:42 Atualizado em 30/10/2018 13:42

Distrital eleito do PSOL menciona ataques a professores, servidores e gays. Veja o vídeo!

 

Fábio Felix foi o entrevistado do “Poder no Quadrado Ao Vivo” desta segunda (29)  – Foto: Reprodução

Eleito deputado distrital pelo PSOL, Fábio Felix orgulha-se de ser o primeiro gay assumido a ter um mandato na Câmara Legislativa. Em entrevista ao Poder no Quadrado Ao Vivo, ele disse que o mandato dele vai ser de resistência e oposição ao presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) e ao governador eleito do DF, Ibaneis Rocha (MDB). Para isso, ele e o grupo que o apoiou na campanha criaram uma central para receber denúncias de agressões.

A “central da resistência”, como ele mesmo diz, vai colher demandas pelo WhatsApp, e pode ser acessada pelo número (61) 3963-1750. “Existem alguns setores da direita que estão se organizando para denunciar e coibir professores e profissionais do serviço público que estão dando aulas de história, filosofia, sociologia, fazendo um debate crítico nas escolas”, explica.

Tem muita gente, diz o distrital eleito, “querendo perseguir e coibir a livre atividade de cátedra desses professores e também de outros profissionais”. Felix sustenta que o próprio mandato dele funcionará como  uma “central de resistência”, para receber denúncias de coação destes servidores e da população LGBT. “Queremos reportar às autoridades”, explica.

O grupo que cuidará de recepcionar as demandas é formado por militantes e ativistas voluntários que participaram da campanha do distrital eleito.

Veja o vídeo com a entrevista completa de Fábio Felix:

Deixe uma resposta