Ibaneis colado com Temer

6 de December, 2018 - 18:27 Atualizado em 06/12/2018 18:27

Advertisements

Governador eleito traz Esplanada dos Ministérios para o Governo do DF e ganha moral com o presidente

 

Logo após o resultado das urnas, Ibaneis se apressou em apresentar a Temer as prioridades e demandas da gestão – Foto: Divulgação/Presidência da República

O governador eleito Ibaneis Rocha prova que está colado com o Governo Federal. Mais de dez nomes vindos da Esplanada dos Ministérios comporão a nova gestão no DF. Em troca, conquistou afagos importantes do presidente Michel Temer, como a assinatura de duas medidas provisórias – a que transfere a Junta Comercial para o DF e a que cria a Região Metropolitana de Brasília.

Oficialmente, a equipe do governador diz que ele busca nomes que conheçam o caminho do dinheiro e possam trazer verbas para o Distrito Federal.

Da Esplanada, vêm:

  1. O secretário de Saúde Osnei Okumoto, que agora é secretário de Vigilância em Saúde do Ministério da Saúde;
  2. O secretário adjunto de Atenção à Saúde Sérgio Luiz Costa, que ainda hoje é assessor no Ministério da Saúde;
  3. O secretário adjunto de Gestão da Saúde Francisco Araújo, ex-coordenador-geral de Programas e Projetos Especiais do Ministério da Integração Nacional;
  4. O secretário de Justiça Gustavo Rocha, ministro dos Direitos Humanos;
  5. O presidente do Ibram Edson Duarte, que ainda é ministro do Meio Ambiente;
  6. O secretário de Esporte Leandro Cruz, ministro da mesma pasta;
  7.  O secretário de Relações internacionais Pedro Luiz Rodrigues, diplomata de carreira;
  8. O chefe da Casa Civil Eumar Novacki, que é secretário executivo do Ministério da Agricultura;
  9. O secretário do Meio ambiente Sarney Filho, que já foi ministro da pasta na Esplanada;
  10. O secretário de Transportes Valter Casimiro, ministro dos Transportes.

Ainda há expectativa de que o deputado federal Ronaldo Fonseca (Podemos-DF), que deixou a Câmara para ser ministro do governo Temer, engrosse a lista dos federais que atuarão no DF a partir de 2019.

Clique aqui e ouça o comentário na Rádio CBN sobre o assunto

Deixe uma resposta