Ibaneis tira o bode da sala: passe livre é mantido para alunos de escolas públicas

7 de February, 2019 - 21:29 Atualizado em 07/02/2019 21:29

Advertisements

Em projeto encaminhado à Câmara Legislativa, o governador sugere regras para estudantes de instituições privadas

 

Governo estima que, em 2018, 220 mil estudantes usufruíram do benefício em todo o DF – Foto: Lúcio Bernardo Jr / Agência Brasília

O famoso bode na sala. Foi utilizando a estratégia, que é velha conhecida, que o governador Ibaneis Rocha tratou a reformulação do passe livre estudantil no DF. Depois de distribuir à imprensa um texto que seria encaminhado à Câmara Legislativa para acabar com a gratuidade, ele recuou e enviou um texto que garante o benefício para alunos de escolas públicas e limita para os estudantes da particulares.

Para ter passagem gratuita, os alunos de instituições privadas terão de provar que têm renda familiar total inferior a quatro salários mínimos, ou que tenham bolsa de estudos, ou mesmo que sejam beneficiários de programa de financiamento estudantil. A medida, conforme calcula o governador,  vai garantir uma economia de R$ 105 milhões por ano – em 2018, o DF gastou R$ 290,8 milhões para custear a gratuidade. Somente em 2018, cerca de 220 mil estudantes usaram o passe livre, diz o governo.

Primeiro, Ibaneis fez entender que acabaria com o benefício; depois, recuou. Antes, porém, foi à Câmara Legislativa dizer que tem aprendido com os deputados distritais.

A notícia caiu como uma bomba entre base e oposição. Sabe-se que o próprio líder de governo, o deputado Claudio Abrantes (PDT), teria dificuldade em defender a proposta da forma como ela chegou, já que ele ostenta, com orgulho, o fato de ter relatado o projeto do Passe Livre Estudantil, que garantiu as passagens gratuitas desde 2010.

 

Deixe uma resposta