Em estreia na Câmara Legislativa, Kelly Bolsonaro promete “decoro e polidez”

28 de May, 2019 - 20:23 Atualizado em 28/05/2019 20:23

Advertisements

Suplente de Daniel Donizet foi prestigiada até pelo vice e governador em exercício, Paco Britto, que foi à Casa nesta terça (28)

 

Kelly Bolsonaro fez discurso de combate ao aborto: “Com a graça de Deus, em meu mandato, nenhum bebê morrerá no ventre de sua mãe” – Foto: Ísis Dantas

A deputada distrital Kelly Bolsonaro (Patriota), ao discursar pela primeira vez no Plenário da Câmara Legislativa, nesta terça-feira (28), confirmou o que já sinalizava nos últimos dias: o tom ameno, bem diferente da “ativista conservadora”, como ela mesma se define, das redes sociais ou dos períodos pré-posse.

Empossada no lugar do distrital Daniel Donizet (PSDB), que assumiu o comando da Administração Regional do Gama, ela garantiu que tratará a todos com “decoro e polidez”.

Trocou o sobrenome do presidente da Casa, deputado Rafael Prudente (MDB), por “Parentes”, saudou a ministra da Família, Damares Alves, como “exemplo de mulher”. Citou a Deus, pediu orações, classificou o casamento como “sacramento” e chamou a maternidade de “graça”.

Kelly, que adotou o sobrenome em homenagem ao presidente da República, Jair Bolsonaro, a quem declarou “incondicional apoio”. Ela já avisou também que está nas fileiras dos distritais da base aliada do governo de Ibaneis Rocha.

“Como ativista conservadora, minha agenda política é a favor da família, das crianças e das mulheres brasilienses. Em meu mandato, defenderei políticas públicas de valorização da vida e proibição do aborto”, discursou.

Prestígio

Foi bastante prestigiada a nova parlamentar. Até o vice-governador, que está no exercício do Governo do DF, Paco Britto (Avante), compareceu à Casa. Os comandantes do Corpo de Bombeiros e da Polícia Militar também tomaram assento na mesa.

O discurso foi lido com alguma dificuldade, que ela justificou como “nervoso”. Parou uma vez, tomou fôlego, bebeu água e recobrou o ritmo, e disparou: “Irei propor projetos de lei que outorguem poderes de fiscalização aos assistentes sociais e conselheiros tutelares, para que combatam as clínicas de aborto, que funcionam como matadouros de seres humanos.”

E foi além: “Com a graça de Deus, em meu mandato, nenhum bebê morrerá no ventre de sua mãe.”

Lá, fora, depois da estreia, ela posou para fotos com militantes, apoiadores e autoridades, que foram prestigiá-la.

Deixe uma resposta