Paula Belmonte sobre confusão com governador e primeira-dama: “Um grande mal entendido”

4 de June, 2019 - 7:37 Atualizado em 04/06/2019 00:04

Advertisements

Deputada federal prega união e diz que desavenças devem ser esquecidas. “Houve um equívoco, um engano”, disse

 

Paula Belmonte: “As vaidades e as coisas políticas de querer aparecer são tão pequenas”

Três dias depois de discutir com o governador Ibaneis Rocha, a deputada federal Paula Belmonte (PPS) diz que tudo não passou “de um grande mal entendido”. Em entrevista ao Poder no Quadrado Ao Vivo, na noite desta segunda-feira (3), a parlamentar preferiu falar pouco sobre o episódio, que envolveu também a primeira-dama Mayara Noronha, durante o lançamento do programa Criança Feliz, em Brasília.

“O convênio é para ser comemorado. O Criança Feliz vai trazer a oportunidade de a criança ser atendida em casa. Minha pauta é a primeira infância e a primeira-dama é a primeira-dama. Ela é mãe e está fazendo a mesma força que eu… a alegria desse convênio é tanto dela quanto minha”, minimizou.

Foi durante o lançamento do programa, no Memorial JK, na sexta-feira (31), que a deputada federal acabou se desentendendo com o governador. Depois de procurar a primeira-dama para saber por que ela não teve oportunidade de discursar no evento, Ibaneis interviu e disse que não aceitaria “meninice de dondoca”. Paula divulgou uma nota, em que ressaltou sua alegria pelo convênio e disse que o governador havia sido truculento e usado palavras ofensivas.

Depois do episódio, esta foi a primeira vez em que Paula Belmonte deu uma entrevista. Antes de começar a responder às perguntas dos leitores, parlamentar do PPS deixou claro que só cumpriu a agenda porque a data estava marcada há muito tempo. No bate-papo, ela se esquivou das perguntas sobre o tema e usou o espaço para falar de projetos e ações que têm feito na Câmara dos Deputados.

“A gente tem que valorizar os projetos. Que a política seja feita suprapartidária e apartidária. O bem para uma criança é para todos. A gente tem que ficar mais ligado nisso, do que na desavença”, disse, antes de pregar que se busque a união. “Eu vejo que as vaidades e coisas políticas de querer aparecer são tão pequenas”, continuou.

E garantiu estar unida à primeira-dama no propósito de trabalhar pelos direitos da criança na primeira infância. “A gente tem que valorizar a entrada das mulheres na política, não trazer a competição. Houve um equivoco, um engano”, garantiu.

Assista à entrevista completa:

Deixe uma resposta