Projeto aprovado na Câmara Legislativa proíbe sacolas plásticas no DF

5 de June, 2019 - 21:10 Atualizado em 05/06/2019 21:10

Advertisements

De autoria do deputado distrital Leandro Grass (Rede), texto segue para sanção do governador Ibaneis

 

Embalagens convencionais devem ser substituídas por material biodegradável e biocompostável – Foto: Agência Télam/Agência Brasil

Um projeto de lei aprovado na Câmara Legislativa proíbe o a distribuição ou venda de sacolas plásticas em estabelecimentos do DF. De autoria do deputado distrital Leandro Grass (Rede), o texto, que segue para sanção do governador Ibaneis, determina a substituição por materiais biodegradáveis e biocompostáveis.

Pela proposta do parlamentar, as empresas devem estimular o uso de sacolas reutilizáveis, confeccionadas com material resistente e que suporte o transporte de produtos e mercadorias em geral. “Utilizamos (as sacolas) nas lixeiras de casas ou para transportar objetos no dia-a-dia. Mas, mesmo assim, muitas acabam nos rios, lagos e córregos, e, por fim, chegam aos mares, afetando a vida marinha e gerando graves impactos ambientais aos ecossistemas”, explica o autor.

Aprovado em segundo turno nesta quarta-feira (5), Dia Mundial do Meio Ambiente, o texto teve 17 votos favoráveis e uma abstenção. A intenção, diz Leandro Grass, é cessar a distribuição de sacolas confeccionadas à base de polietileno, propileno, polipropileno ou matérias-primas equivalentes, que agridem mais a natureza, pelo tempo que demora para decompor.

O prazo de implementação da nova regra é de um ano e deve ocorrer no mesmo período do fim dos copos plásticos, conforme lembra Grass. “Com isso, teremos uma extinção quase total desses materiais no DF. É um grande avanço na preservação ambiental”, comemora.

O gabinete do distrital da Rede Sustentabilidade calcula que, a cada ano, 500 bilhões de sacolas plásticas, cujos materiais demoram ao menos 300 anos para desaparecerem, sejam produzidas no mundo todo. No Brasil, cerca de um bilhão de unidades seriam distribuídas mensalmente nos supermercados. “Nossa intenção é que a população adote o hábito de utilizar sacolas retornáveis, bolsas, mochilas ou qualquer outro meio de transporte de suas compras, reduzindo, assim, a geração de resíduos de fontes plásticas”, conclui Leandro Grass.

Deixe uma resposta