Escolas públicas retomam atividades em 3 de agosto, mas sem alunos em sala de aula

Atualizado em 21/07/2020

Governo e Sindicato dos Professores do DF chegam a consenso e anunciam que data será o marco da retomada das atividades escolares, mas que é preciso haver preparação das instalações

 

rosilene caetano, do sinpro

Rosilene Corrêa, sobre encontro com Ibaneis Rocha: “A situação é grave e é melhor ele ter a sociedade como aliada. Não dá para achar que é porque é governador que pode tomar decisão pela vida do outro – Foto: Toninho Tavares/Agência Brasília

O governador Ibaneis Rocha reconheceu, após reunião com representantes do Sindicato dos Professores do DF (Sinpro-DF) nesta quarta-feira (8), que o dia 3 de agosto de 2020 é o marco para o retorno das aulas das escolas públicas, “mas isso não quer dizer que eu vá meter a farda no aluno e botar ele pra ir pra sala de aula”. Escolas públicas retomam atividades, na data, mas conforme o chefe do Executivo, primeiro será apenas com as reuniões e o preparo para a volta às aulas.

Dirigente do Sinpro-DF, Rosilene Corrêa garante que “dia 3 de agosto está certo que não terá alunos nas escolas”. Ela se reuniu com o governador; o secretário de Educação, Leandro Cruz; e até a deputada distrital da oposição, Arlete Sampaio (PT).

“Não mudei nada no decreto. Quando coloquei a partir do dia 3, eu já tinha esse entendimento”, disse Ibaneis, após o encontro, que foi amigável e produtivo. “A situação é grave e é melhor ele ter a sociedade como aliada. Não dá para achar que é porque é governador que pode tomar decisão pela vida do outro”, cravou Rosilene, logo após a reunião.

Preocupação da comunidade escolar

Rosilene lembra que, com o anúncio do retorno “com alunos e tudo” no dia 3, os próprios pais e alunos iniciaram um movimento contrário. “Eles estão preocupados com esse retorno. É um curto espaço de tempo para tomar todos os cuidados e a pandemia está numa crescente ainda”, disse a sindicalista.

O alerta sobre os perigos da retomada sem tempo de preparação foi dado ao governador em um bom dia, avaliou Rosilene: “Hoje, ele foi um ambiente bem propício ao diálogo.” Ela saiu satisfeita do encontro, já que o sindicato foi chamado para participar do processo de tomada de decisões – e já tem uma reunião marcada para a próxima sexta-feira (10) para tratar do assunto. “Nossa disposição é em construir essa volta, entendendo que, em algum momento, temos que retornar, mas precisamos ter as condições”, disse ela.

As aulas nas escolas públicas e particulares estão suspensas no DF há quatro meses. Mas um decreto do governador Ibaneis autorizou a reabertura das unidades educacionais no dia 27 de julho, no caso das particulares, e 3 de agosto, para as públicas.

Reeducação

A preocupação do sindicato, diz Rosilene, está na reeducação da comunidade escolar para conviver com a pandemia. “Já sugerimos à Secretaria de Educação que inclua nas aulas, que estão sendo dadas de forma remota, matérias que ensinem medidas de higiene e segurança. Não basta a escola ter o lavatório adequado, se o estudante não levar em consideração. É preciso educar par ao convívio com a Covid”, afirmou a sindicalista.

Por fim, ficou decidido que, sim, as escolas públicas retomam atividades, mas internas. Com alunos, ainda não.

Clique aqui, curta nossa página no Facebook e não perca nenhuma atualização do Poder no Quadrado

Millena Lopes



3 comentários para este artigo

  1. Elaine disse:

    Não concordo com esse negócio de aula online. Se em sala de aula o ensino já deixa a desejar imagina online onde só confundi ainda mais. Já que não querem voltar pra sala de aula que anule logo o ano letivo. Melhor o aluno fazer direito em 2021 do que fazer de qualquer jeito com essa PALHACADA de aula online

    • Leila disse:

      Palhaçada é vc dizer que não queremos voltar pra sala de aula. O que não queremos é correr o risco de pegar esse vírus e colocar nossos alunos em risco também, além da nossa família. Estamos fazendo o possível e dando o melhor de nós para que os alunos tenham o mínimo de aprendizagem. Palhaçada é uma mãe ou sei lá o quê, não se importar com o risco de perder o seu filho pra um vírus maldito. Isso sim é uma palhaçada. Palhaçada são muitos pais folgados que não querem ensinar seus filhos, acham que a escola é depósito de aluno E só sabem fazer filhos. E os professores são babás de luxo. Se vc não tem medo de perder o seu filho, é pq nunca passou por essa situação, nunca perdeu um filho ou um ente querido. Faz o seguinte, corre pra uma feira, um lugar bem lotado e se enfia lá com seu filho porque aí quero ver o resultado e como vc vai ficar. Sem noção!

  2. Leila disse:

    Palhaçada é vc dizer que não queremos voltar pra sala de aula. O que não queremos é correr o risco de pegar esse vírus e colocar nossos alunos em risco também, além da nossa família. Estamos fazendo o possível e dando o melhor de nós para que os alunos tenham o mínimo de aprendizagem. Palhaçada é uma mãe ou sei lá o quê, não se importar com o risco de perder o seu filho pra um vírus maldito. Isso sim é uma palhaçada. Palhaçada são muitos pais folgados que não querem ensinar seus filhos, acham que a escola é depósito de aluno E só sabem fazer filhos. E os professores são babás de luxo. Se vc não tem medo de perder o seu filho, é pq nunca passou por essa situação, nunca perdeu um filho ou um ente querido. Faz o seguinte, corre pra uma feira, um lugar bem lotado e se enfia lá com seu filho porque aí quero ver o resultado e como vc vai ficar. Sem noção!

Deixe seu Comentário





* Campos obrigatórios

Poder no quadrado - Blog de política

Copyright © 2020 - Poder no quadrado | Todos os direitos reservados.

É proibida a reprodução total ou parcial, de qualquer texto ou foto deste site, em qualquer meio de comunicação, mesmo que citada a fonte, sem prévia autorização.

×Fechar