Bispo Renato Andrade (PR)

Nome completo: Renato Andrade dos Santos

Naturalidade: Patos de Minas (MG)

Profissão: Advogado

Telefone: (61) 3348-8202

E-mail: dep.bisporenato@cl.df.gov.br

Site: https://bisporenatoandrade.com.br/site/

Um dos representantes do segmento evangélico na Câmara Legislativa, Bispo Renato é pastor e já foi administrador regional do Riacho Fundo II, secretário do Entorno, secretário do Trabalho e está no segundo mandato de deputado distrital, tendo sido eleito com 14.216 votos, em 2014 – antes, assumiu mandato na condição de suplente. Investigado pela Operação Drácon, que apura esquema de pagamento de propinas a parlamentares por empresas da área de saúde, o deputado, teoricamente, está na oposição ao governador Rodrigo Rollemberg, mas tem indicação de cargos ao governo. E votou a favor de projetos importantes para atual gestão.

A regularização fundiária dos templos religiosos e instituições de assistência social é uma das bandeiras que ele defende. São de autoria dele a lei que trata da regulamentação dos food truck; a que garante o tratamento de epiléticos na rede pública de saúde; o texto que combate as pichações; e o que garante tempo mínimo de permanência de 30 minutos em estacionamentos pagos. Conforme o gabinete de Andrade, totalizam mais de 30 as leis em vigor de autoria dele.


 

Processos

Além de ser denunciado como beneficiado do esquema de distribuição de propinas a deputados distritais, desbaratado pela Operação Drácon, Renato Andrade é alvo de um inquérito aberto pela Delegacia de Combate aos Crimes contra a Administração Pública (Decap), a pedido da Procuradoria-geral de Justiça do DF. Há indícios de participação do parlamentar em crime de lavagem de dinheiro e ocultação de capitais.

Segundo a Polícia Civil, tudo começou quando a Delegacia de Combate a Roubos e Furtos prendeu cinco homens que roubavam a casa de um assessor do deputado. Em depoimento, eles contaram que pretendiam roubar R$ 200 mil em espécie, que estavam escondidos no local. O dinheiro, conforme a polícia, seria proveniente de suposta propina do distrital, que nega qualquer ligação com o caso.

A Drácon rendeu uma ação penal a Bispo Renato. Ele nega, no entanto, qualquer envolvimento com o esquema de propina. Além dele, os outros parlamentares que compunham a Mesa Diretora entre 2015 e 2016 respondem no processo por corrupção passiva: Celina Leão (PPS), Raimundo Ribeiro (PPS) e Julio Cesar (PRB), assim como o deputado Cristiano Araújo (PSD), que é apontado como articulador do esquema. Somente a então vice-presidente da Casa, Liliane Roriz (PTB),  foi poupada, já que é autora das gravações que deram origem à apuração.

 

Acompanhe os processos:

INQ 2016 00 2 035724-9
0038059-32.2016.807.0000 (Res.65 – CNJ)