Rôney Nemer (PP)

Nome completo: Rôney Tanios Nemer

Naturalidade: Viçosa (MG)

Profissão: servidor público

Telefones: (61) 3215-5572 / 2572

E-mail: dep.roneynemer@camara.leg.br

Site: http://www.roneynemer.com.br/

Presidente do PP-DF, Rôney Nemer é o fiel escudeiro do ex-vice-governador Tadeu Filippelli. E, para atender a recomendação do peemedebista, deixou o PMDB e assumiu o comando do PP. A estratégia fazia parte do plano de Filippelli de articular uma forte chapa para as eleições de 2018.

Estreante na Câmara dos Deputados, depois de três mandatos como deputado distrital, foi eleito com 82.594 votos em 2014, quando ainda era filiado ao PMDB. Foi administrador regional de Samambaia e do Recanto das Emas e secretário de Obras na última gestão de Joaquim Roriz.

Com bom aliado do PMDB, votou a favor do impeachment da presidente Dilma Rousseff, mas se voltou contra o governo Temer, ao votar contra a PEC do Teto dos Gastos Públicos e também contra a Reforma Trabalhista.

Ajudou, no entanto, a arquivar a denúncia do Ministério Público Federal (MPF), ao se ausentar na votação do processo em que se pedia abertura de investigação do presidente Michel Temer. Católico, Nemer propaga que o mandato dele defende a família.


Processos

Responde a quatro processos que tramitam no Supremo Tribunal Federal (STF), sendo três por crimes contra a Lei de Licitações e um contra crimes de lavagem ou ocultação de bens, direitos ou valores, crimes praticados por funcionários públicos contra a administração em geral e corrupção passiva.

As investigações que deram origem à Operação Caixa de Pandora, que deflagrou um esquema de corrupção no governo de José Roberto Arruda no DF, também colocam Nemer no olho do furacão. Ele já foi condenado, em segunda instância, pelo Tribunal de Justiça do DF, por enriquecimento ilícito e danoso erário.

Além de ter os direitos políticos suspensos por dez anos, o ex-peemedebista foi condenado a devolver R$ 276 mil aos cofres públicos e a pagar multa de R$ 828 mil e indenização de R$ 1 milhão por danos morais coletivos. Ele recorreu, a condenação foi mantida e agora apela ao Superior Tribunal de Justiça, em terceira instância.

 

Acompanhe os processos:

Inq 4051 – INQUÉRITO  (Processo físico)

Inq 4080 – INQUÉRITO  (Processo físico)

Inq 3962 – INQUÉRITO  (Processo físico)

AP 923 – AÇÃO PENAL  (Processo físico)

2010.01.1.215092-6