Wellington Luiz (MDB)

Nome completo: Wellington Luiz de Souza Silva

Naturalidade: Brasília – DF

Profissão: Policial Civil

Telefone: 3348-8112 a 8116

E-mails: dep.wellingtonluiz@cl.df.gov.br

Site do parlamentar: www.wellingtonluiz.com.br

Wellington Luiz está no segundo mandato distrital pelo PMDB, atual MDB. Foi eleito em 2014, com 10.330 votos. Atualmente, é vice-presidente da Câmara Legislativa e um nome forte no partido liderado no DF por Tadeu Filippelli.

É policial civil e começou a carreira política como presidente do Sindicato dos Policiais Civis (Sinpol-DF), cargo que ocupou por 12 anos. Atualmente, na Câmara Legislativa, é um dos nomes fortes de oposição ao governo de Rodrigo Rollemberg.

Enfrenta alguns processos na Justiça e chegou a ter o mandato cassado em 2011 pelo Tribunal Regional Eleitoral do DF (TRE-DF) por captação e gasto ilícito de recursos financeiros em campanha eleitoral. No mesmo ano, a decisão foi revertida pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e ele retomou o cargo.

Entre as normas de autoria dele aprovadas na Câmara Legislativa, está a lei que concede redução proporcional do IPTU aos proprietários de imóveis residenciais e terrenos que adotarem medidas que estimulem a proteção, preservação, e recuperação de meio ambiente; e outra norma que garante aos servidores da administração pública direta e indireta do Distrito Federal a correção da remuneração quando o pagamento for realizado em atraso.


 

Processos:

Wellington responde a ação penal por peculato (desvio de dinheiro público) e por fraude em licitações. O Ministério Público acusa o deputado de desviar recursos de uma emenda parlamentar, no valor de R$ 105 mil, para bancar despesas de uma viagem a Europa, junto com a esposa e outras oito pessoas. A emenda era destinada a um projeto de capacitação para atletas amadores no Varjão. Ainda segundo o MP, além da viagem, parte do valor teria sido usada para patrocinar uma escola de futebol do Guará em um torneio na Holanda, entre 13 a 22 de maio de 2012. O processo corre no Conselho Especial do Tribunal de Justiça do DF. Wellington nega as irregularidades, diz que a emenda não era sua e os custos da viagem foram pagos por ele.

Na Justiça, o deputado também briga com a Caesb pela propriedade de um terreno, no Park Way, onde fica também um reservatório da companhia. A empresa pública reivindicou a propriedade do lote e pediu o despejo de Wellington da mansão que seria avaliada em quase R$ 3 milhões. A disputa está na Justiça, em ação de usucapião extraordinário. O parlamentar reivindica o direito de posse por ocupar o local por mais de 21 anos.

Ele também é alvo de uma ação civil pública movida em agosto de 2016 pelo Ministério Público do DF contra também outras 21 pessoas, além de sete empresas do ramo de construção. O MP questiona a destinação de recursos feita pelo ex-administrador do Varjão, Hélio Chagas, que era uma indicação política do distrital.

Ainda relacionado à Administração Regional do Varjão, há processo contra suspeita de irregularidades na contratação de empresa para a urbanização da feira da cidade. A ação está em fase de citação dos envolvidos para apresentação das contestações.

 

Acompanhe os processos:

0725284-04.2017.8.07.0001 / APN 2015 00 2 004543-0 0004598-06.2015.807.0000 (Res.65 – CNJ)

INQ 20130020257979 DF / 0026735-50.2013.8.07.0000

0712816-54.2017.8.07.0018

2016.01.1.082818-7

 


Wellington Luiz se interessa pela posição de vice